imagem-
31-12-2019 Formação de quadros entre as prioridades do sector agrícola

A aposta na formação dos profissionais do sector agrícola e de outras áreas será prioridade do Ministério da Agricultura e Florestas no ano de 2020, informou nesta, segunda-feira, em Luanda, o titular da pasta, António Francisco de Assis.

Falando à imprensa, por ocasião dos cumprimentos de fim de ano, afirmou ser necessário melhorar o conhecimento da investigação, pecuária, silvicultura e os aspectos logísticos para tornar o sector produtivo e sustentável.

O governante reconheceu que a produção agrícola em Angola, ainda, não é a desejada, fruto do fraco conhecimento técnico dos agricultores.

Para alterar o quadro, sublinhou haver necessidade da capacitação permanente das famílias camponesas e de pequenos agricultores, de melhorar as infra-estruturas de produção agro-pecuária e o escoamento da produção.

Por outro lado, referiu que o aumento da produção, a diversificação das culturas alimentares e a multiplicação de sementes agrícolas constituem prioridades do ministério, e espera o apoio  colectivo dos homens do campo para o contributo no aumento das colheitas agrícolas.

Nesta perspectiva, considera importante o surgimento de empresários ligados à agro-indústria para se absorver os produtos produzidos localmente, visto que o país tem capacidade de garantir a segurança alimentar em toda a sua extensão, produzindo aquilo que se consome.

O plano de dinamização da produção de cereais e tubérculos, sublinhou, visa contribuir no programa do Governo angolano de luta contra à fome e à pobreza, segurança alimentar e de diversificação da economia, através da redução das importações dos produtos agrícolas.

A campanha, que integrou um milhão e 309 mil e 580 famílias, teve como principal objectivo atingir as metas pré-definidas no Plano de Desenvolvimento Nacional, que previa, até 2019, cobrir 70 a 80 por cento das necessidades alimentares dos angolanos.

Deste modo, foram disponibilizadas três mil toneladas de sementes de milho melhorado, 200 toneladas de feijão, 100 toneladas de massango e cinco toneladas de sementes de algodão para fomentar a cultura do cultivo.

A nossa prioridade é o apoio a agricultura e pecuária familiar, neste sentido, durante o ano que termina, beneficiaram-se da assistência técnica 1474.383 famílias camponesas do universo de 2936.198 famílias organizadas em associações e cooperativas”, ressaltou.

Fonte:Angop