imagem-
13-03-2020 Ministério do Ambiente revisa projecto Kitabanga

O programa de conservação de Tartarugas Marinhas denominado Projecto Kitabanga será revisado, neste ano, pelo Ministério do Ambiente (MINANB), no âmbito do programa de trabalho de 2020.

Esta informação foi avançada nesta quinta-feira, em Luanda, pela directora do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa (GCII), Elizabeth Smith, acrescentando que se prevê aumentar, com a revisão, mais postos de monitorização das tartarugas.

A responsável do GCII disse que está agendada neste mês uma reunião de trabalho onde irão fazer o balanço de todo o projecto, reforço das premissas do desenvolvimento sustentável e da própria protecção da espécie, por se tornar prioridade a nível nacional.

Actualmente o projecto conta com uma área de actuação directa de 31 quilómetros quadrados de praia protegida, distribuída pela região do Kissembo, Palmeirinhas, Longa e Menono.

O Kitabanga é afecto ao departamento de biologia  da Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto (UAN) e implementado desde 2003 com anuência do Ministério do Ambiente.

Pretender-se com o programa identificar e proteger ninhos e tartarugas, obter uma panorâmica das áreas de maior incidência de desova ao longo das áreas de intervenção, variação de densidade e abundância relativa ao longo tempo, taxas de natalidade e mortalidade, crescimento populacional e imigrações e aspectos relacionados com o ecossistema onde se inserem.

Desde o início do projecto, foi possível conhecer aspectos sobre a bioecologia das tartarugas em Angola, o seu status ao longo da costa angolana, contribuir para a sensibilização de comunidades costeiras em prol da salvaguarda da espécie e para a tomada de medidas de conservação e desenho da estratégia nacional para conservação da biodiversidade.

Permitiu ainda registar mais de seis mil posturas das tartarugas, preservar cerca de três mil e 500 ninhos, incluir mais de 322 mil pequenas novas tartarugas no meio ambiente, capacitar quadros com princípios ligados à biologia da conservação.

Angola dispõe de várias espécies de   tartarugas, com realce para a tartaruga de Ouro, também conhecida como Kitabanga (Dermochelys coriácea), a mais rara no mundo e que pode atingir dois metros de comprimento e um peso de 600 quilogramas.

A sua carapaça é triangular e alongada, com sete cristas longitudinais, apresentam coloração escura, salpicada de pintas brancas e roseadas.

Reproduzem em praias arenosas ao longo da costa, colocando em média 80 ovos que são encubados em 60 dias, e alimentam-se fundamentalmente de medusas.

 

Fonte:Angop