imagem-
19-05-2020 Angola gasta mais de mil milhões de Kwanzas em bolsas de estudo

O Estado angolano disponibiliza, todos os meses, mil milhões, 451 milhões e 812 Kwanzas para o pagamento dos complementos de bolsas de estudo para estudantes que se encontram no exterior.

A informação foi prestada nesta segunda-feira pela ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo, no decorrer de um encontro com deputados da 3.ª Comissão da Assembleia Nacional, que serviu para analisar a situação dos bolseiros no exterior.

De acordo com a governante, em cada mês, o Instituto Nacional de Gestão de Bolsas de Estudo (INAGBE) faz uma planificação financeira  a anteceder o mês seguinte e inclui a preparação da remessa dos  valores para os bancos comerciais, cujo dossier só se conclui após a recepção da quota financeira correspondente.

Explicou que as quotas de Janeiro a Abril foram todas emitidas em moeda nacional, sendo depositados os valores  no Banco de Poupança e Crédito (BPC), encarregue de proceder à transferência em divisas para os bolseiros no exterior.

Este procedimento tem enfrentado alguns constrangimentos devido à fraca disponibilidade do BPC, o qual, até à actualidade, apenas conseguiu efectuar as operações referentes a Janeiro, facto  que  tem  originado o atraso do pagamento dos subsídios de bolsa.

Para resolver esta questão, o INAGBE decidiu-se a enviar os montantes referentes a Março e Abril  para o  Banco de  Comércio e Indústria                 (BCI),  esperando-se  que esta instituição bancária tenha maior capacidade para efectuar os pagamentos com maior celeridade.

Actualmente, fora os bolseiros internos, o INAGBE controla  dois mil e 566 bolseiros, dos quais 41 por cento são do sexo feminino.

Cuba é o país que alberga o maior número de bolseiros, com 50 por cento, seguido da Federação Russa, com 21, depois Portugal, com nove.

A maioria dos estudantes encontra-se em programas de licenciatura, sendo 89 por cento em cursos de graduação, 5,6 em mestrado e 4,1  em doutoramento.

Em contrapartida, a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, anunciou que, no âmbito  da pandemia Covid-19, está prevista a chegada ao país, para esta terça-feira, de mais 100 estudantes provenientes da Federação Russa, que se juntam aos pelo menos 300 regressados neste domingo.

Informou que todos estes cidadãos serão submetidos a quarentena institucional, estando  todas as condições de acomodação  preparadas para o efeito.  

Em relação a Cuba, no início de Abril, foram enviadas cerca de 50 toneladas de bens diversos de biossegurança, higiene e alimentos não perecíveis  para os estudantes bolseiros que se encontram neste país.

 

Fonte:Angop