imagem-
27-08-2020 Ministra de Estado valoriza política do voluntariado

A ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, considerou, nesta quarta-feira, a Política Nacional do Voluntariado como um contributo para o reforço do Estado democrático e de direito em Angola.

A Política Nacional do Voluntariado, aprovada hoje pelo Conselho de Ministros, define o modo como os entes públicos, privados e os cidadãos poderão participar em acções de natureza social e comunitária, de forma não remunerada, a fim de ajudar indivíduos, famílias e comunidades.

Em declarações à imprensa, no final da 8ª sessão do Conselho de Ministros, Carolina Cerqueira afirmou que a Política de Nacional de Voluntariado permitirá a inter-ajuda, sobretudo nas zonas mais recônditas e às populações em risco, de forma gratuita.

Sublinhou que a iniciativa é um exemplo levado a cabo em países como Portugal, Cabo Verde, Moçambique  e Brasil, que “têm políticas fortes e expressivas de voluntariado”.

Política Nacional de Medicina Tradicional

Por seu lado, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, reconheceu a existência de lacuna na Política de Medicina Tradicional e Complementar.

"Não tínhamos orientação metodológica para os praticantes dessa actividade", admitiu a ministra, para quem o exercício dessa actividade "não estava assente em base científica".

Sílvia Lutucuta reiterou que o objectivo fundamental é desenvolver a prática dessa actividade inserida no Sistema Nacional de Saúde e contribuir para a obtenção de melhores resultados no sector.

Informou que serão criados centros de referência de medicina tradicional e complementar em cada província do país.

Reserva de hidrocarbonetos

Relativamente aos recursos Minerais, Petróleo e Gás, o ministro do sector, Diamantino de Azevedo, afirmou que a aprovação da Estratégia de Exploração de Hidrocarbonetos de Angola 2020-2025 tem também como foco o estudo das bacias do país.

Afirmou que se prevê a extensão dos períodos de pesquisa e de produção dos blocos 30, 44 e 45 na bacia do Namibe, passando de seis para oito anos e de 20 para 30 anos, respectivamente.

Informação de Crédito

Por seu turno, o governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, informou que o banco central terá condições para recolher informação sobre a situação de crédito dos cidadãos, no quadro do regulamento das sociedades de informação de crédito, aprovado hoje.

"Não nos referimos apenas ao crédito bancário, mas a toda a natureza de crédito que é concedido na economia", afirmou, alertando que quem usa o sistema pós-pago no telefone e tem um crédito, o "registo pode também ser recolhido".

Segundo o governador do BNA, essas informações vão permitir que o sistema financeiro e de mais interessados na matéria possam, com maior segurança, permitir que os interessados  acedam ao crédito.

Protecção da Palanca Negra Gigante

Sobre o ponto de situação do projecto de protecção da Palanca Negra Gigante, no Parque Nacional de Cangandala e na Reserva Integral do Luando, na província de Malanje, a ministra da Cultura, Ambiente e Turismo, Adjany Costa, revelou a existência de 230 animais.

Segundo a governante, o projecto de resgate da espécie faz com haja actualmente 90 animais no Parque Nacional da Cangandala e 140 na Reserva Integral Luando, contra os anteriores cerca de dois mil que o país controlava.

“Temos trabalhado para, a médio e longo prazos, (voltar) a atingir a cifra de dois mil (animais)", salientou a ministra, tendo aclarado que no ano de 2019, as actividades consistiram, maioritariamente, no patrulhamento, principalmente, no Parque Nacional da Cangandala.

 

Fonte:Angop