imagem-
08-09-2020 Ministro apela aposta no agronegócio para aumento da produção

O ministro da Agricultura e Pescas, António Francisco de Assis, apelou em Luanda, ao empresariado nacional a investir no sector de agronegócio, visando aumentar a produção alimentar.

Em análise a primeira Reunião da Comissão Mista Bilateral Angola – Índia, por vídeo-conferência, o governante adiantou à imprensa que é possível obter-se deste país asiático muita experiência a ser utilizada na agricultura familiar nacional, como acções que potenciam o agronegócio e o sistema de logística.

“Hoje o que mais se nota é a falta de logística, que não é da responsabilidade do produtor. Várias cadeias têm de intervir, principalmente o sector privado, para evacuação e comercialização dos produtos. São questões da economia e não do agricultor. Infelizmente esses processos são lentos no nosso país. Por isso, a necessidade de se apostar no agronegócio”, disse.                                 

Ainda sobre a Índia, o titular referiu que este país tem capital forte e deve-se fazer com que os especialistas angolanos possam obter conhecimentos e utilizarem em Angola, para que se capacite mais os produtores internos.

As limitações verificadas, como escassez de recursos financeiros, baixa de preço do petróleo, que condicionam a produção agrícola, entre outros, também mereceram referências por parte do ministro, que defendeu um trabalho estruturado e conjunto entre os diferentes sectores.            

Quanto ao encontro, aberto pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Téte António, analisou acordo de cooperação no domínio da saúde, sobre supressão de vistos em passaportes diplomáticos e de serviço, memorando de entendimento entre os institutos diplomáticos da Índia e Angola.

Relativamente aos assuntos prevalecentes, designadamente os acordos em que os dois Estados manifestaram o mútuo interesse em assinar no ano de 2018, garantindo deste modo, o reforço da cooperação bilateral, por forma a tornar cada vez mais profícuos.

Da outra parte, também usou da palavra, o homologo indiano Subrahmanyam Jaishankar, ministro dos negócios estrangeiros. As delegações ministeriais nacional, que também contou com a presença do titular da Saúde, Sílvia Lutucuta, passaram em revista, o quadro geral da cooperação entre os dois países e governos.

Angola e a Índia perspectivam o crescimento do comércio e do investimento, bem como as trocas comerciais que conheceram um impulso renovado, após o encontro entre o Presidente João Lourenço e o primeiro-ministro Narenda Modi, em Julho de 2018, à margem da cimeira dos BRICS.

A Índia oferece anualmente várias bolsas de estudo para cursos de pós-graduação e outras vagas no âmbito do programa de cooperação técnica e económica.

As relações entre Angola e Índia datam de 1761 (época da colonização portuguesa), altura em que algumas regiões da Índia (Goa, Damão e Dio) eram consideradas, tal como Angola territórios portugueses. Os dois países estabeleceram relações diplomáticas no dia 2 de Julho de 1979.

 

Fonte:Angop