imagem-
30-09-2020 Banco Mundial disponível para apoiar Angola

O Banco Mundial (BM) mostrou-se, nesta terça-feira, em Luanda, disponível para uma parceria estratégica com o governo angolano, no âmbito dos desafios de desenvolvimento do país.

De acordo com o novo representante do banco em África, Jean-Christophe Carret, que falava à imprensa no final do encontro que manteve com as ministras de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, e das Finanças, Vera Daves, o BM está alinhado com os desafios do país e existe disponibilidade para compreender como, de forma genérica, poderá ajudar o governo angolano.

O responsável  referiu que a  visão do Banco  Mundial é apoiar Angola a ultrapassar os desafios do sector social, nomeadamente os ligados à  educação, saúde e à protecção social, apesar de não se tratar apenas desses sectores que considera importantes, uma vez que antes da pandemia já estavam identificadas outras áreas de actuação.

Conforme Jean-Christophe Carret, o BM manifesta particular atenção ao projecto das transferências monetárias, cuja essência é acudir as famílias vulneráveis em face da pandemia do Covid -19.

Durante o encontro, a ministra Carolina Cerqueira apresentou um quadro genérico  da situação social do país, agravado pela situação de pandemia que provocou maior fragilização do tecido social e uma acentuada vulnerabilidade humana, tendo sublinhado  a especial atenção do governo  às questões ligadas à educação, saúde, empoderamento da mulher e apoio à criança que, além  de promoverem a integração, contribuem para o aumento do desenvolvimento sustentável das comunidades.

A ministra de Estado referiu ainda que, com base no mapeamento existente sobre a acção social junto das populações, os programas de combate à subnutrição estão na prioridade dos programas integrados  de apoio às populações menos favorecidas, para as quais o programa Kwenda tem-se revestido como um alívio determinante na mitigação da pobreza em que vivem inúmeras famílias.

Para a ministra das Finanças, Vera Daves, o encontro serviu para se transmitir ao representante do BM informações concretas sobre os projectos em execução no país.

 

Fonte:Angop